E os macacos chegaram

<p style=”text-align: right;”>Miguel Carqueija

Resenha de “O planeta dos macacos”, de Pierre Boulle.
Título original: Le planète des singes.
Pocket Ouro, Rio de janeiro, 2008. Tradução de André Telles.

    

O Planeta dos Macacos

O Planeta dos Macacos Pierre Boulle

     Admito que me surpreendeu a leitura deste que é um dos maiores clássicos da ficção científica do século XX. É claro que eu sei que a literatura e o cinema são mídias diferentes, e que um filme pode divergir bastante do livro que o inspirou; mesmo assim não imaginava que, no caso específico, a diferença fosse tão grande. O livro de Boulle foi lançado em 1963, e cinco anos depois iniciava-se, com o primeiro filme, a franquia de Arthur P. Jacobs que rendeu cinco longas-metragens e duas séries de televisão, uma em imagem real e outra em desenho animado.

     O romance é interessantíssimo e narrado de maneira habilidosa. Tudo gira em torno do jornalista Ulisse Mérou, que com dois companheiros vai parar num planeta desconhecido, que gira em torno da estrela Betelgeuse. Esse planeta parece muito com a Terra, exceto por um ponto crítico: nele quem manda são os macacos, seres altamente civilizados, enquanto os seres humanos não falam e são considerados animais irracionais, vivendo em estado selvagem e sem roupa, afora alguns postos em cativeiro ou domesticados.

     O próprio Ulisse — que no filme estrelado por Charlton Heston foi substituído pelo personagem Taylor — é feito prisioneiro pelos macacos e precisa apreender a situação, entender o que realmente aconteceu naquele mundo, e que reduziu a humanidade local à escravidão e à barbárie.

     Alguns personagens símios se destacam, principalmente Zira e Cornelius, o casal de cientistas chimpanzés que primeiro reconhecem as qualidades intelectuais de Ulisse e ficam sabendo de sua origem alienígena, e Zeius, o sábio orangotango, que duvida dessas qualidades.

    O estro é uma coisa misteriosa, subjetiva. A idéia para criar ou desenvolver uma história pode surgir quase do nada, de uma folha voando ao vento, da visão de uma lacraia, de qualquer incidente banal ou frase que nos chame atenção. Assim, não posso afirmar, mas creio ser muito possível que Pierre Boulle tenha lido um grande romance de Aldous Huxley, Ape and essence (O macaco e a essência), distopia pós-apocalipse nuclear lançada em 1948, e onde aparecem macacos militarizados maltratando seres humanos (no caso, em forma do cientista Einstein). Tais cenas são metafóricas e não fazem parte da trama do romance, mas lá estão e podem ter servido de inspiração ao autor de Le planète des singes.

    O romance de Boulle é excelente, com final duplamente inesperado, e repleto de ironia. Mas como toda obra, permite questionamentos. Por exemplo, salta aos olhos que no planeta em questão só aparecem macacos antropóides — gorilas, orangotangos e chimpanzés — e ninguém fala nos outros, micos, babuínos, macacos-aranha, sagüis e tantos outros. Falta até um dos antropóides, o gibão, que é o menor das quatro espécies. Assim, a evolução dos macacos a partir dos ensinamentos prestados pelos próprios seres humanos fica a dever uma explicação mais convincente. Naquele planeta todos os macacos eram antropóides? E se não, o que houve com os outros?

    O primeiro filme da série conta uma história diferente, embora com muitos pontos em comum, e apresenta aquele final antológico da Estátua da Liberdade. Dizem que Boulle gostou muito.